Currículo Adaptado – O Segredo da Educação Especial

Se tomarmos a etimologia da palavra (do latim curriculum) veremos que, literalmente, currículo significa corrida, um percurso a ser realizado. O currículo é trajeto de busca que deve ser sempre questionado e reavaliado.

O currículo é produzido pela experiência. Experiência essa, que abrange a vivência imediata de situações individuais e/ou coletivas e a sua elaboração investigativa. A experiência se realiza quando nos apropriamos de dispositivos de observação, análise, registro, reflexão, crítica e interpretação do que observamos em nossas vivências.

Na APAE-BH, a escola respeita as necessidades de seus estudantes e busca elaborar um suporte à ação pedagógica, dando atenção à forma como estão sendo utilizadas as adaptações curriculares.

O educando com deficiência intelectual deve ser considerado como alguém que possui um desenvolvimento condicionado por múltiplos determinantes presentes em um determinado momento. Na abordagem sócio-pisicológica, a deficiência passa a ser a força impulsionadora para o processo de aprendizagem e desenvolvimento da pessoa com deficiência intelectual.

Toda a escola deve desenvolver e regulamentar os procedimentos para a identificação de necessidades educacionais presentes no seu alunado, com o objetivo de garantir a todos o acesso ao conhecimento e o desenvolvimento de suas potencialidades. É responsabilidade da escola, garantir que as necessidades educacionais de todos os seus alunos sejam identificadas e atendidas.

Os profissionais da Escola Especial Oficina Sofia Antipoff conhecem cada um de seus alunos, respeitam suas potencialidade e necessidades, e a elas respondem com qualidade pedagógica. Nosso currículo adaptado visa adequar o currículo acadêmico aos nossos alunos que, por suas condições cognitivas, físicas e sensoriais, não conseguem acompanhar o currículo regular. Os educadores da APAE-BH se preocupam em adaptar o atendimento às habilidades relacionadas à leitura, escrita, cálculo, habilidades sociais e de vida diária.

Elementos educacionais que fazem parte de nosso currículo:

  • Linguagem: leitura e escrita;
  • Sistema de Calendário: prevê habilidades e competências que devem ser adquiridas em cada etapa;
  • Estratégias de Ensino: uso de metodologias diferentes de acordo com as necessidades dos alunos, como atividades em grupo e sistema de avaliação diferenciado;
  • Nível Apropriado de Currículo: o que deve ser cobrado em cada etapa;
  • Estilo de Aprendizagem: tipos de atividades que mais favorecem a aprendizagem do aluno;
  • Emocional: que seja emocionante e significativo para o aluno;
  • Centrado no Aluno: a partir de uma avaliação diagnóstica é traçado e elaborado um plano individualizado para o aluno;
  • Apropriado: respeito à idade cronológica do aluno, tanto nas atividades, como no grupo de convivência.

Para elaborar este currículo são utilizadas as avaliações diagnóstica (que leva em conta o nível cognitivo do aluno) e da linguagem, bem como a adequação do aluno ao que é esperado para sua idade cronológica.

Os conceitos envolvidos neste currículo também levam em conta combinações, classificações, sequenciações, habilidades organizacionais, habilidades motoras finas, socialização, leitura, escrita, matemática, ciências e estudos. Considerando o conjunto de necessidades educacionais do aluno, as estratégias compreendem ações denominadas Adaptações Curriculares. O Currículo Adaptado, produzido pela equipe pedagógica e professores, é uma ferramenta educacional essencial, que além de planejar, traça metas fundamentais para o processo de desenvolvimento do aluno.

Nosso “fazer pedagógico” parte do conhecimento e das habilidades que o aluno já possui e a aprendizagem deve ter como foco a avaliação contínua e diária para resultados próprios de uma educação de qualidade.

A família tem um papel importantíssimo na construção desse saber na escola, pois além de monitorar o desenvolvimento educacional do filho, os pais e/ou responsáveis deverão ser parceiros na realização das atividades escolares em casa.

Acreditamos que nossos alunos podem aprender como qualquer outro de qualquer escola, mas, para tanto, é fundamental utilizar as ferramentas corretas e necessárias a fim de favorecer o seu desenvolvimento, abrindo oportunidades para uma vida independente.

Nosso grande diferencial é o gosto pelo desafio e o interesse pelo envolvimento nas questões complexas que envolvem a aprendizagem e, também, nas questões comuns que envolvem cada aluno no processo ensino e aprendizagem. A pessoa com deficiência intelectual, assim como qualquer outro cidadão, deve ser educada em sociedade e para a sociedade. A flexibilização curricular funciona como um instrumento no processo de construção e pavimentação de um caminho mais assertivo e promissor.

 

Lucianna Gontijo – Diretora Pedagógica da Apae-BH

  • BEANE, J. A. Integração Curricular: a essência de uma escola democrática. In: CURRICULO SEM FRONTEIRAS, v.3. n.2, pp. 91-110, Jul/Dez 2003. Disponível no site . http://www.curriculosemfronteiras.org Acesso em 20 de novembro de 2007.
  • BRASIL (1994). Declaração de Salamanca e linha de ação sobre as necessidades educativas especiais. Brasília: CORDE.
  • BRASIL (2000). LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação: Lei 9.394/96. Brasília: CORDE.
  • BRASIL, SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL (1995). O processo de integração escolar dos alunos portadores de necessidades educativas especiais no sistema educacional brasileiro. Brasília: SEESP.
  • CANEN, A.; Canen, A. G. ROMPENDO FRONTEIRAS CURRICULARES: o multiculturalismo na educação e outros campos do saber. In: CURRICULO SEM FRONTEIRAS, v.5, n.2, pp. 40-49 Jul/Dez 2005. Disponível no site Acesso em 03 de maio de 2007. http://www.curriculosemfronteiras.org Acesso em 03 de maio de 2007.
  • CANDAU, V. M. org. ( 2001 ). Didática, currículo e saberes escolares. 2ª ed. Rio de Janeiro: DP&A
  • CARVALHO, A. R.; SILVA, D. R.; e, ( 2006 ). Pessoa com deficiência: aspectos teóricos e práticos/ organização do Programa Institucional de Ações Relativas às Pessoas com Necessidades Especiais – PEE. Cascavel: EDUNIOESTE CONSTITUIÇÃO FEDERAL. (1988) Art. 205. Disponível no site http://www.planalto.gov.br Acesso em 18 de abril de 2007.
  • D`ANTINO, M. E. F. ( 1997 ). A questão da integração do aluno com deficiência mental na escola regular. In: M. T. E. Montoan ( org. ). A integração de pessoas com 21 deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon, Editora SENAC, p.97-103.
  • PADILHA, A. M. Lunardi. Práticas Pedagógicas na Educação Especial: a capacidade de significar o mundo e a inserção do deficiente mental. 2 ed. Campinas: Fapesp, 2005.
0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2018 Todo direito reservado - APAE-BH 

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?