Hoje, 8 de abril, é comemorado o Dia do Braile. Para falarmos sobre a importância desse sistema de escrita para os cegos, o Elton, usuário do serviço de Reabilitação Visual do CER IV Contagem/APAE BH nos dá uma verdadeira – e emocionante – aula sobre o assunto e sobre as formas que foi descobrindo para percorrer difíceis, porém belíssimos caminhos em sua vida.

A produção desse material tão lindo teve o apoio da pedagoga Vilma Nogueira dos Reis; da Gerente da Reabilitação Visual do CER IV, Ana Carolina Moreira de Souza Santos, da psicóloga Ingrid Lilian e, claro, do Elton Amorim, que acabou de ser papai 

 

Dia Nacional do Sistema Braille: a escrita que transforma a vida de pessoas com deficiência visual

O Dia Nacional do Sistema Braille tem como objetivo conscientizar a população sobre a importância das políticas públicas visando a verdadeira inclusão das pessoas com deficiência visual no sistema educacional. A data foi escolhida para homenagear José Álvares de Azevedo, o primeiro professor cego do Brasil, que fazia aniversário em 8 de abril. Primeiramente, é importante saber que o braille é um sistema de escrita e leitura tátil inventado pelo francês Louis Braille, que ficou cego aos três anos de idade devido a um acidente que causou uma infecção nos dois olhos.

Esse sistema consiste na escrita em relevo e é constituído por 63 sinais formados a partir do conjunto de seis pontos (123456), dispostos na vertical em duas colunas de três pontos cada, no que se convencionou chamar de cela braille ou célula braille. As diferentes disposições desses seis pontos representam letras, sinais de pontuação, números, notações musicais e outros. Os primeiros instrumentos da escrita braille são o punção e a reglete. Com avanço da tecnologia, existem outros instrumentos como, por exemplo, a máquina de escrever, a impressora braille e a linha braille.

8 de abril: Dia do BrailleO processo de oficialização e de utilização do braille foi muito lento na primeira escola francesa para pessoas com deficiência visual, onde o nosso ilustre professor José Álvares de Azevedo, cego de nascença, estudou até os seus 16 anos. Ela era a única escola que existia para pessoas com deficiência visual no mundo. Após concluir os estudos, José Álvares de Azevedo voltou ao Brasil e inclinou-se para a carreira de professor, ensinando o braille.

Uma de suas primeiras alunas foi Adélia Sigaud, filha do Dr. Francisco Xavier Sigaud, médico da Corte Imperial, que, satisfeito com o desenvolvimento da filha, buscou apoio para a criação de uma escola especializada no País. E tendo como um marco importante em sua trajetória no Brasil, a primeira escola de braille foi criada com apoio de Dom Pedro II, em 1854, no Rio de Janeiro, conhecida hoje como Instituto Benjamin Constant.

Em nível estadual, temos o Instituto São Rafael, em Belo Horizonte, que atua há 91 anos na capital mineira e região metropolitana. Dentre suas principais atividades, além da escolarização, está a capacitação de profissionais, apoio à inclusão e serviço gratuito ao público em geral.

8 de abril: Dia do Braille8 de abril: Dia do BraillePara acesso irrestrito à cultura e informação, as pessoas com deficiência visual contam também com o precioso acervo do Setor Braille da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais.

Na área da saúde, temos o Centro Especializado em Reabilitação CER IV Contagem APAE BH, que atende pessoas com deficiência visual em todo o seu ciclo de vida. Além de ser oferecido os serviços da saúde, o serviço de reabilitação/habilitação visual, o Centro conta com serviços especiais, que inclui o suporte pedagógico no processo de ensino aprendizagem do braille. Esse suporte visa promover o acesso das pessoas com deficiência visual à educação, utilizando essa preciosa ferramenta que proporciona autonomia, emancipação, uma vez que o braille desempenha papel fundamental na alfabetização e na inserção no mundo das letras.

Os atendimentos especiais no CER IV Contagem têm como objetivo, estimular e desenvolver a sensibilização e percepção tátil, através do ensino dos pontos, onde o usuário aprende de forma gradual o processo de escrita e leitura braille.

Por: Vilma Nogueira dos Reis – Pedagoga da Modalidade Visual CER IV – APAE/BH

Referências: http://www.ibc.gov.br/noticias/945-comemoracao-do-dia-nacional-do-braille-resgata-historia-doinstituto-benjamin-constant http://www2.educacao.mg.gov.br/component/gmg/story/9685-instituto-sao-rafael-com-91-anosinstituicao-e-referencia-em-atendimento-a-deficientes-visuais-em-belo-horizonte-e-regiaometropolitana. http://www.bibliotecapublica.mg.gov.br/index.php/pt-br/biblioteca-publica-estadual-de-minasgerais/setor-braille-1 http://portal.mec.gov.br/component/content/?params%5Bsearch_relevance%5D=Quem+foi+Be

©2020 Apae-BH. Desenvolvido por Sintext.

Navegue pelo site:

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?