O grupo de Cognição e Linguagem do CER IV é formado por usuários dos serviços prestados na modalidade de reabilitação intelectual, e conduzido por profissionais das especialidades de Fonoaudiologia e Psicologia com o objetivo de estimular as atividades cognitiva e de linguagem.

Neste grupo, são atendidos usuários com deficiência intelectual leve na faixa etária de 7 a 16 anos, cada grupo é composto por usuários com idades aproximadas.

Segundo a Associação Americana de Deficiência Intelectual (AAIDD) e o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV), a incapacidade intelectual é caracterizada pelo funcionamento intelectual significativamente abaixo da média, combinado com pelo menos mais duas limitações nas áreas da comunicação, orientação, habilidades sociais, autoproteção, uso de recursos comunitários e manutenção de segurança pessoal. A classificação da deficiência intelectual deve, também, levar em conta o nível de suporte necessário para todas as atividades, variando de intermitente para elevado. A deficiência intelectual é considerada um distúrbio do desenvolvimento neurológico que pode envolver distúrbios de atenção, memória, percepção, linguagem, solução de problemas ou interação social. Na infância, são observados déficits nas funções intelectual e adaptativa, sendo suas principais manifestações: a aquisição lenta de novos conhecimentos e habilidades, comportamento imaturo e habilidades limitadas de autocuidado.

Raciocínio, planejamento e resolução de problemas, pensamento abstrato e aprendizagem são habilidades que fazem parte da função intelectual; ao passo que habilidades como a capacidade de atender os padrões apropriados à idade e sua condição sociocultural fazem parte da função adaptativa.

No grupo de Cognição e Linguagem, a estimulação cognitiva visa desenvolver e aperfeiçoar o raciocínio, atenção, concentração, memória imediata, planejamento, estratégias, resolução de problemas, tomada de decisão, inibição motora e flexibilidade cognitiva. A estimulação da linguagem visa aperfeiçoar as habilidades comunicativas (habilidades dialógicas como iniciar interação e aguardar seu turno, funções comunicativas, meios de comunicação e contextualização da linguagem), além da compreensão verbal e de metáforas.

A proposta do acompanhamento em grupo é uma forma eficaz de intervenção, principalmente como maneira de potencialização das habilidades dos usuários atendidos pelo compartilhamento que o grupo oferece. Isso o diferencia do atendimento individual. São realizadas intervenções diferenciadas por meio de execução de atividades para favorecer a aquisição de novos conhecimentos a partir das vivências de aprendizagens e experiências. Com tais estímulos, espera-se que os usuários possam desenvolver as habilidades cognitivas necessárias para controlar e regular seus pensamentos, emoções e ações com o intuito de aumentar sua independência e qualidade vida.

Créditos: Fonoaudióloga Danielle Fialho e a psicóloga Gezilene Vital, colaboradoras do CER IV – Centro Especializado em Reabilitação Antônio de Oliveira.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2020 Apae-BH. Desenvolvido por Sintext.

Navegue pelo site:

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?